Obs.: Conteúdo publicado em 2011, e migrado para este site sem alterações.

 

Introdução

O amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Greg.) é uma leguminosa herbácea tropical perene nativa do Brasil. Tem importância na produção de forragem em pastos consorciados com gramíneas sob sistemas pecuários intensivos na América Latina e Austrália. Também é utilizada em estandes puros, na forma de bancos de proteína sob pastejo, em sistemas de produção de pecuária leiteira. Além disso, tem sido largamente utilizada na conservação de solo em taludes e margens de rodovias e como planta ornamental em praças e jardins.

O sucesso do uso dessa espécie é consequência da sua elevada capacidade de persistir em sistemas de pastejo intensivo, devido ao seu hábito de crescimento estolonífero, produzindo raízes nos nós que ficam em contato com o solo ou em locais que estejam com elevada umidade. Como consequência, grande parte dos pontos de crescimento das plantas ficam pouco acessíveis ao pastejo animal. Além disso, mesmo a cultivar Belmonte, que é propagada vegetativamente, consegue manter um banco de sementes (50 kg/ha) enterradas no solo, o que é suficiente para permitir o recrutamento de novos indivíduos em situações onde as plantas originais são eliminadas pelo manejo inadequado ou devido a períodos de seca mais intensos e prolongados.

O sucesso na produção de sementes de amendoim forrageiro depende de diversos fatores que podem contribuir ou restringir a germinação, o estabelecimento e crescimento rápido das plantas e o acúmulo de um banco de sementes no solo que proporcione elevada produtividade de sementes de boa qualidade no menor período de tempo.

Entre os fatores determinantes no sucesso da produção de sementes dessa leguminosa destacam-se: a escolha de ambientes com condições de solo e clima adequados ao cultivo; preparo adequado do solo, reduzindo o banco de sementes de plantas daninhas e proporcionando a correção da fertilidade do solo para atender às exigências da cultura; escolha adequada da época de plantio com condições favoráveis de precipitação e umidade do solo para favorecer a germinação e o estabelecimento rápido e uniforme do estande; uso de sementes de boa qualidade, quebra da dormência e tratamento com fungicidas; taxa de semeadura suficiente para obter população desejada de plantas uniformemente distribuídas pela área; tratos culturais adequados (controle de plantas daninhas, pragas e doenças) durante todo o ciclo da cultura; colheita, secagem e beneficiamento adequado das sementes. A embalagem e o armazenamento em condições ambientais adequadas são fundamentais para disponibilizar sementes de boa qualidade no mercado.

Algumas cultivares de A. pintoi foram lançadas em diferentes países nos últimos 23 anos. No entanto, das 11 cultivares disponibilizadas, 6 são provenientes do acesso original GK 12787 (BRA 013251), lançado primeiramente com o nome de Amarillo na Austrália. Esse acesso foi sendo difundido em diversos países, como Brasil, Colômbia, Panamá, Honduras e Costa Rica com denominações distintas. Outras cultivares de A. pintoi também foram liberadas,como a cultivar Porvenir, na Costa Rica; Golden Glory, nos Estados Unidos; e Itacambira, no Sudeste Asiático. No Brasil, as cultivares de A. pintoi já lançadas são Alqueire-1, Amarillo MG-100 (BRA 013251) e Belmonte. Apenas a cultivar oriunda do acesso BRA 013251 possui sementes disponíveis no mercado nacional e internacional, embora a oferta seja irregular e os preços elevados, o que limita a adoção em larga escala dessa forrageira nos sistemas de produção pecuários. O desenvolvimento da cultivar BRS Mandobi e do seu sistema de produção de sementes tem o objetivo de viabilizar a oferta de sementes de qualidade a preços acessíveis aos produtores no mercado nacional e internacional, de forma a permitir a utilização em larga escala dessa leguminosa nos sistemas de produção pecuários em ambientes tropicais.

Nas condições ambientais de Rio Branco, AC, a adoção das práticas agropecuárias recomendadas neste sistema de produção permite obter produtividade acima de 3.000 kg/ha de sementes puras de A. pintoi cultivar BRS Mandobi, no período de 18-21 meses após o plantio.

Em função do efeito da interação ambiente e genótipo, este sistema de produção de sementes de A. pintoi cv. BRS Mandobi é recomendado para o Município de Rio Branco, Acre, e demais regiões com condições ambientais semelhantes.

Link Edição Portlet Link Edição Portlet

Abr/2016

Link Expediente Portlet Link Expediente Portlet

Lista de Editores do SP da Area publica Portlet Lista de Editores do SP da Area publica Portlet

Editor(es) técnico(s)

  • Judson Ferreira Valentim
  • Carlos Mauricio Soares de Andrade
  • Giselle Mariano Lessa de Assis

Lista de Autores do Tópico Área Pública Portlet Lista de Autores do Tópico Área Pública Portlet

Autores deste Tópico

  • Judson Ferreira Valentim

Link Todos Autores Portlet Link Todos Autores Portlet

Imprimir SP Imprimir SP

Imprimir este SP

Atenção: Uma nova janela será aberta.