Mercado e comercialização
Produção

A produção de milho no Brasil, juntamente com a de soja, contribui com cerca de 80% da produção de grãos. A diferença entre as duas culturas está no fato de que a soja tem liquidez imediata, dadas as suas característica de "commodity" no mercado internacional, enquanto que milho tem sua produção voltada para o abastecimento interno, embora recentemente a sua exportação venha sendo realizada em quantidades expressivas e contribuindo para maior sustentação dos preços internos. Apesar disto, o milho tem evoluído como cultura comercial apresentando, nas últimas décadas, taxas de crescimento da produção de 3,0% ao ano e da área cultivada de 0,4% ao ano.

Os Gráficos 1 a 3 retratam a produção de milho por estado na safra 2013/2014. No Gráfico 1, de barras, estão retratadas as produções estaduais obtidas nas lavouras da primeira safra (safra de verão) e da segunda safra (safra inverno ou safrinha). A despeito da queda de 16% na produção decorrente, principalmente, da estiagem, o Estado de Minas Gerais ainda é o maior produtor de milho na safra verão 2013/14, produzindo 5,74 milhões de toneladas, seguido do Rio Grande do Sul, com 5,71 milhões de toneladas, e Paraná, 5,38 milhões de toneladas. No que se refere à safra de inverno, a maior produção continua com o Mato Grosso, que produziu 16,72 milhões de toneladas, 2,7 milhões de toneladas a menos que em 2012/13, e o Paraná ficou novamente na segunda posição, com 10,24 milhões de toneladas.

Os Gráficos 2 e 3 apresentam a participação relativa dos estados na produção de milho na primeira e segunda safra. A baixa produção do milho na safra verão no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, 1% de participação em ambos os estados, decorre do fato de que a cultura do milho é rotacionada com a soja. Assim, a soja é plantada na safra verão e o milho é plantado na safra de inverno. Essa sucessão de culturas ocorre por motivos agronômicos, de conservação do solo, e por motivos comerciais. O Estado de Minas Gerais, em 2013/14, foi o maior produtor de milho na safra verão, 18% do total, mas a produção na safra de inverno ainda é irrelevante, apenas 3%. O Estado do Mato Grosso produziu 36% da produção nacional de milho na safra de inverno; entretanto, como dito antes, possui uma participação insignificante na produção da safra verão.

 

Gráfico 1. Produção estadual de milho no Brasil em 2013/14 em milhões de toneladas - principais produtores.

Fonte: CONAB

Gráfico 2.  Participação estadual na produção de milho no Brasil, primeira safra 2013/2014 em milhões de toneladas - principais estados produtores

Fonte: CONAB

Verifica-se, no Gráfico 2, que 88% da produção de milho em grão no Brasil, na safra verão de 2013/2014, foi produzida em 9 (nove) estados, sendo apenas Bahia o único estado fora da região Centro-Sul. Em relação à safrinha, a produção é ainda mais concentrada. No Gráfico 3, observa-se que 94% da produção foi realizada por apenas sete estados, sendo que somente Mato Grosso, Paraná, Goiás e Mato Grosso do Sul produziram juntos 86% da produção nacional na segunda safra.

 

Gráfico 3.  Participação estadual na produção de milho no Brasil, segunda safra 2013/2014 em milhões de toneladas - principais estados produtores.

Fonte: CONAB

As figuras 1, 2 e 3 apresentam as produtividades médias municipais na primeira safra em 2003/04, 2007/08 e 2010/11. Observa-se nas Figuras o avanço das áreas de maior produtividade no Centro-Sul do Brasil, assim como na região do Matopiba. Em 2010/11 a produtividade em praticamente todo o Estado do Paraná encontra-se na faixa de 5 a 12 toneladas por hectare. Os estados da região Centro-Oeste merecem destaque, pois obtiveram produtividades médias altas, no patamar dos estados da região sul, mesmo com a predominância da safra de inverno na produção. Estes estados têm se caracterizado por produzir milho em áreas grandes, com o uso de tecnologias modernas e sementes de alta qualidade e potencialidade, o que favorece o crescimento da produtividade desses estados. Outro fator que tem impulsionado o crescimento de milho na região Centro-Oeste, e em especial no Estado de Goiás, é a ampliação do parque industrial (principalmente o dedicado à criação e processamento de carnes de aves e suínos), em direção à região de cerrado, que utiliza milho como insumo. Por outro lado, o uso da cultura de milho no sistema de plantio direto também tem favorecido os níveis de produção e produtividade nesta região.

 

Figura 1. Distribuição da produtividade média municipal de milho no Brasil na primeira safra 2003/04.

Fonte: IBGE

Figura 2. Distribuição da produtividade média municipal de milho no Brasil na primeira safra 2007/08.

Fonte: IBGE

 

Figura 3. Distribuição da produtividade média municipal de milho no Brasil na primeira safra 2010/11.